afro
afro Adão Ventura
Mineiro do Serro, nascido em 1946. Advogado.
Viagens pelos Estados Unidos e África. Autor de
vários livros de poemas, entre eles A Cor da Pele
CERCAS

essa linha ilusória
que separa, delimita
altruísmo do egoísmo
amor da desesperança
medo da confiança
fraqueza da segurança
me afasta, obscurece
e sobretudo questiona
a desconhecida que sou de mim mesma


SEDE

deixe escorrer esse sangue
que ele rega minha alma
lavra meu sonho
ceifa minha calma

deixe escorrer esse sangue
que ele lava nosso caminho
encobre essa agonia
resseca nosso destino

deixe escorrer esse sangue
que escarnece da minha dor
subjuga minha índole
dilacera esse amor

deixe escorrer esse sangue
que cala essa voz altiva
sacia essa minha sede
justifica essa doutrina

deixe escorrer esse sangue
que sorveu minha desgraça
ocultou meu nome
matou minha raça

deixe escorrer esse sangue
que enlameia meu tempo
escraviza meu corpo
mercadeja meu medo

deixe escorrer esse sangue
que mutila o meu passado

DESENCONTRO

Procuro
no espelho desses rostos negros
nesse pele marcada

nesse ombro curvado,
ainda que forte
nessas mãos atadas
ainda que vazias

o desejo de luta
que... sucumbo ante a espera

e encontro o medo
e sob ele
ainda perceptível
o grito quase inaudível
sufocado pelo próprio riso
que retesa o pranto
contido
guardado
o coração pulsando
como que cronometrando
os segundos que restam para
a inevitável explosão

RETRATAÇÂO

Bela
desejável
atraente
mulher
mulher negra
negra mulher
oprimida
tangenciada
traída e
enxovalhada,
usada.
manipulada

mulher
submissão
negra,
inferiorização

o peito latente
clama
a boca tapada
geme
o coração magoado
anseia
e luta
e sonha
e espera

NEGRO NEGRO

É tempo de muda
É tempo de troca
É tempo de luta
explode

levante esses olhos
estanque esse pranto
imponha-se homem
questione

junte forças
pra cortar esse medo
vencer essa dor
confie

tangencie esse egoísmo
desespere esse amor
afaste essa insegurança
lute

delimite sua liberdade
empunhe essa arma
exponha esse ódio
reaja

assegure esse sonho
exaspere a razão
violente seu corpo
mate esse amor

De Cadernos Negros - Poesia -1. São Paulo, 1978



Uma iniciativa

Preservando e propagando a
Cultura Afro Brasileira
incentivando e promovendo seus artistas.


INÍCIO
Procurando por livros e/ou CDs de artistas Afro-Brasileiros?
Tente o Amazon.com. Dica: escreva Afro Brazil ou
o nome do autor ou artista no campo "keywords".

Search: Enter keywords...

Amazon.com logo

copyright © 1995-2006 by
Brazilianmusic.com
All rights reserved